Categorias: Ecologia

Aquecimento Global: causas, consequências – Resumo

O aquecimento global pode ser definido como o aumento constante e gradual da temperatura do planeta Terra. Está sendo provocado principalmente pelo emissão de gases como gás carbônico ( CO2 ) e metano ( CH4 ). Os efeitos do aquecimento global podem ser sentidos através de mudanças climáticas como alteração no regime de chuvas e desertificação por exemplo.

Neste artigo vamos entender como o processo de aquecimento global funciona e como a atividade humana está interferindo diretamente nesses processos. Veja abaixo um pouco do que vamos ver:

  • O que é o aquecimento global?
  • Qual é a sua definição científica?
  • Quais são as causas e as consequências do aquecimento global?
  • O que está provocando o aquecimento global?
  • Quais são os efeitos do aquecimento global?
  • Como funciona o processo de aquecimento global?

Definições do aquecimento global

Definição simples do aquecimento global

O aquecimento global é um fenômeno global de mudanças climáticas caracterizado por um aumento geral das temperaturas médias (particularmente relacionadas às atividades humanas), que modifica os equilíbrios climáticos e os ecossistemas de forma sustentável.

Quando falamos sobre aquecimento global hoje, é o fenômeno do aumento de temperatura que vem ocorrendo na Terra por 100 a 150 anos.

Desde o início da Revolução Industrial, as temperaturas médias na Terra aumentaram mais ou menos regularmente. Em 2016, a temperatura média no planeta Terra foi de cerca de 1 a 1,5 graus acima da temperatura média da era pré-industrial (antes de 1850).

Definição científica do aquecimento global

Mais precisamente, quando falamos do aquecimento global, estamos falando do aumento das temperaturas ligadas à atividade industrial e, em particular, ao efeito estufa: por isso, às vezes falamos do aquecimento global conhecido como “de origem antrópica. (De origem humana).

É, portanto, uma forma de aquecimento global cujas causas não são naturais, mas econômicas e industriais.

Muitos cientistas estão estudando esse fenômeno e tentando entender como as atividades das sociedades humanas causam esse aquecimento. Esses cientistas estão agrupados no IPCC (Grupo Internacional de Especialistas em Clima) e publicam regularmente relatórios que estudam a evolução do aquecimento global.

História da ciência do aquecimento global

Primeiras descobertas do efeito estufa e definição do aquecimento global

As primeiras suposições sobre o efeito estufa são feitas pelo cientista Jacques Fourier em 1824. Vários cientistas depois dele estudarão e tentarão quantificar o fenômeno, como Claude Pouillet e John Tyndall.

Mas o primeiro experimento de validação precisa e quantificação do efeito estufa é feito pelo cientista Svante Arrhenius no final do século XIX. Na década de 1890, ele descobriu que um ar rico em dióxido de carbono retém mais calor da radiação solar, o que leva a um aumento na temperatura do ar.

Ele conclui que, se grandes quantidades de carbono forem liberadas na atmosfera (devido a atividades industriais que queimam carvão), o ar será carregado com CO2 e reterá mais calor.

As primeiras estimativas de aumento de temperatura feitas por Arrhenius ou outros cientistas da época, como o geólogo Thomas Chamberlin, são as seguintes: se dobrarmos a quantidade de gases de efeito estufa na atmosfera, a temperatura média aumentará em 5 graus. Em 1901, Gustaf Ekholm usa pela primeira vez o termo “efeito estufa” para descrever o fenômeno.

Durante décadas, essas descobertas não foram levadas a sério na comunidade científica. Na época, muitos especialistas acreditam que a natureza poderia se auto-regular e que o impacto do homem era mínimo.

Notavelmente, muitos cientistas pensavam que o excesso de CO2 seria absorvido pelo oceano de qualquer maneira, o que é verdade, mas não totalmente.

No entanto, a tese da possibilidade de aquecimento global ligada aos gases de efeito estufa (incluindo o dióxido de carbono) foi finalmente validada na década de 1940 por Gilbert Plass.

Usando tecnologias modernas, fornece evidências definitivas de que a concentração de gases de efeito estufa na atmosfera afeta a capacidade do ar de reter radiação infravermelha e calor. Estas são as primeiras definições do aquecimento global.

Consciência do aquecimento global

Nos anos 60, vários cientistas mostrarão que as pressuposições sobre o efeito estufa são realmente reais.

Charles David Keeling prova, por exemplo, que a concentração de CO2 na atmosfera está aumentando gradualmente graças às suas medidas próximas ao Havaí.

Roger Revelle provou que o carbono liberado pela queima de combustíveis fósseis não foi imediatamente absorvido pelo oceano.

Os cientistas estão começando a se preocupar cada vez mais com o aquecimento global e, como resultado, a sociedade política começará a levar em conta esse problema.

Em 1971, a primeira Cúpula da Terra evoca pela primeira vez em uma grande conferência internacional a definição do aquecimento global e suas conseqüências.

Em 1972, John Sawyer publicou um relatório científico destacando cada vez mais claramente as ligações entre o aquecimento global e o efeito estufa.

Por mais de uma década, evidências de aquecimento global se acumularam na comunidade científica a tal ponto que em meados da década de 1980, as sete maiores potências econômicas do mundo (o G7) pediram à ONU que criasse um grupo. especialistas para estudar a questão.

Esta é a primeira vez que há uma consideração real e uma verdadeira definição do aquecimento global como um problema público pelas instituições internacionais.

Os primeiros relatórios do IPCC sobre o aquecimento global

O IPCC (Painel Intergovernamental sobre Mudanças Climáticas) foi criado em 1988 com o objetivo de estudar a evolução do fenômeno do aquecimento global e suas conseqüências.

Reúne centenas de cientistas, climatologistas, geólogos, oceanógrafos, biólogos, mas também economistas, sociólogos, engenheiros e outros especialistas em vários campos para ter uma visão global deste fenômeno.

O IPCC está estruturado em três grupos de trabalho:

  • o primeiro a estudar as mudanças climáticas como um fenômeno: o processo, sua magnitude;
  • a segunda especializou-se sobre as conseqüências do aquecimento global, a vulnerabilidade dos ecossistemas e das sociedades e a adaptaçãoa essas mudanças;
  • finalmente, o último grupo é encarregado de estudar a questão da luta contra o aquecimento global.

O IPCC faz seu primeiro relatório em 1990, e vários mais periodicamente até seu último relatório em 2014. Nesses relatórios, a comunidade científica do IPCC analisa as causas do aquecimento global e seu impacto no ecossistema e na sociedade, desenvolvendo modelos preditivos.

Com base nesses modelos e previsões, os governos e as empresas podem implementar estratégias para combater o efeito estufa, as mudanças climáticas ou para se adaptar melhor a ele.

As causas do aquecimento global

Os modelos do IPCC permitiram estabelecer as causas do aquecimento global, ou seja, saber de onde vem e o que o causa.

Graças aos cientistas, sabemos que são principalmente as emissões de gases de efeito estufa de origem humana que influenciam o clima e o aquecimento global. De onde vêm esses programas?

Principalmente, é a produção de energia (eletricidade, aquecimento) e combustível para transporte (principalmente carros, mas também em parte transporte aéreo ou marítimo) que causam o aquecimento global.

Depois vem a gestão dos territórios e especialmente o desmatamento , a agricultura, mas também a pecuária.

As consequências do aquecimento global

Graças ao trabalho do IPCC e de outros cientistas que trabalham na definição do aquecimento global, agora entendemos melhor as conseqüências desse fenômeno em nossas vidas.

Na mente de muitos, essas mudanças não são um problema relativamente distante que simplesmente implica que ele ficará mais quente. Mas, na verdade, as conseqüências são muito mais profundas.

Consequências nos ecossistemas e no planeta

Primeiro, um aumento nas temperaturas afeta todo o ecossistema global e não apenas o calor que é sentido.

O clima é interrompido, com um aumento de eventos climáticos extremos, mudanças nos padrões climáticos habituais. Isso significa mais tempestades, mais inundações, mais ciclones e secas.

  • As conseqüências ecológicas do aquecimento global no planeta, nos ecossistemas e no clima?
  • Inundações e aquecimento global: o que liga?

A capacidade de regulação dos oceanos também é afetada por um aumento nas temperaturas. Se as temperaturas globais aumentarem dramaticamente, os níveis do oceano aumentarão, assim como a acidificação oceânica e a desoxigenação.

Além disso, a acidificação do oceano muito pronunciada poderia limitar a capacidade dos mares do mundo de produzir oxigênio e armazenar CO2.

Mas também pode afetar áreas florestais e ecossistemas frágeis (recifes de corais, floresta amazônica), bem como a biodiversidade (corais, alguns insetos e até mesmo mamíferos podem não sobreviver).

Consequências na sociedade e na economia

Na sociedade e na economia, as mudanças climáticas podem ter várias consequências: a capacidade das sociedades de se adaptarem a um novo clima, de adaptar as suas infraestruturas, especialmente as médicas, mas também os seus edifícios.

O aquecimento global também terá consequências para a saúde pública, a capacidade alimentar dos países …

Consequências para as empresas

Finalmente, as empresas provavelmente também serão afetadas pela mudança do clima. De fato, em um contexto em que o clima está mudando, é mais difícil adaptar suas atividades.

Como lutar contra o aquecimento

Para lutar contra o aquecimento global, é preciso primeiro reduzir suas emissões de gases de efeito estufa.

Para isso, o primeiro caminho é voltar-se para as energias renováveis ​​e evitar os combustíveis fósseis. Mas também temos de reduzir o consumo de energia, evitar o desperdício de alimentos, comer melhor, evitando produtos que são demasiado grandes pegada de carbono, otimizando o uso de recursos.

Em suma, temos de adaptar o nosso estilo de vida para a noção de resiliência e desenvolvimento sustentável.  Precisamos também transformar nossas sociedades para avançar para um modelo industrial e uma globalização que leve em conta a ecologia .

  • 10 ações para colocar em prática nas empresas para combater o aquecimento global
  • Como lutar contra o desperdício de comida?
  • Como lutar contra concretamente?

Aquecimento global: mito ou realidade?

Como muitos problemas sociais e científicos, o aquecimento global tem sido controverso desde o início. Alguns cientistas e comentaristas questionaram o aquecimento global. Eles são chamados de céticos do clima. Vários argumentos são invocados, por exemplo:

“O aquecimento global não existe, é mentira”

Esse argumento, freqüentemente usado pelos céticos, tornaria o aquecimento global uma mentira , inventada pelos estados, ou pelas elites mundiais e pela mídia. Nenhuma evidência ou explicação poderia ser fornecida para apoiar este argumento.

  • O aquecimento global é uma mentira?

“O aquecimento global é natural, não importa”

Este argumento é frequentemente apresentado por cientistas céticos quanto ao clima para questionar a atenção da mídia ao aquecimento global.

Sua ideia é que a mudança climática é um fenômeno natural, normal e cíclico, e não há necessidade de se preocupar com isso.

O trabalho de Keeling ou Revelle, depois o trabalho do IPCC e centenas de trabalhos independentes mais recentes provaram que esse argumento era falso e que o aquecimento global era de fato um fenômeno de origem humana e perigoso. o plano de ecossistemas e sociedades.

  • O aquecimento global é real?
  • As consequências do aquecimento global no planeta e no clima
  • As consequências sociais do aquecimento global
  • Aquecimento global pode levar a crise econômica global

A origem humana do aquecimento global: gases de efeito estufa

Alguns cientistas também questionam a origem humana do aquecimento global, explicando que o CO2 liberado na atmosfera por atividades humanas na verdade não afetam o clima e ecossistema.

Eles afirmam que estes gases são quer regulados pelo ecossistemas, é que ele não é rejeitada em quantidades suficientes para ter um impacto, ou outros gases (tais como vapor de água) têm um maior impacto sobre aquecimento global do que o CO2 industrial.

Embora todas essas posições sejam parcialmente verdadeiras, elas não questionam a origem humana do aquecimento global. Assim, o CO2 é bem absorvido em parte pelo oceano e pelas plantas, mas não é rápido o suficiente para ser regulado, por exemplo.

  • Qual o impacto das atividades humanas no aquecimento global?
  • Aquecimento global; mito ou realidade?

Nós realmente não sabemos como o clima funciona

Outros céticos do clima argumentam que, como a ciência do clima é muito complexa e tem muitos fatores, é difícil ou impossível prever as conseqüências de um evento, como aumentar a concentração de CO2 na atmosfera.

Esses críticos questionam a confiabilidade dos modelos do IPCC e, portanto, suas previsões, em graus variados.

Embora seja verdade que a climatologia é uma ciência complexa, as previsões feitas até então sobre o aumento das temperaturas  e as conseqüências meteorológicas do aquecimento global se mostraram bastante próximas da realidade.

O consenso científico sobre o aquecimento global

No final, a esmagadora maioria dos cientistas globais em todos os campos relevantes concordam com as causas do aquecimento global e a maioria de suas conseqüências sobre os ecossistemas e a sociedade.

Portanto, não há dúvida científica sobre a Terra estar se aquecendo. Resta saber o que queremos fazer no nível político e social dessa definição de aquecimento global.

Como resolver o aquecimento global

Ações diárias simples podem reduzir as emissões de gases de efeito estufa. Ao consumir energia e nossas compras diárias, causamos, direta ou indiretamente, emissões de gases de efeito estufa.

A luta contra o aquecimento global não deve ser a única iniciativa de governos e empresas, mas também de indivíduos.

Simples ações diárias de 6,8 bilhões de pessoas no mundo podem ajudar a reduzir as emissões de gases de efeito estufa que causam a mudança climática.

Ao consumir energia (carros, aquecimento, eletrodomésticos …) e por nossas compras diárias, causamos, direta ou indiretamente, emissões de gases de efeito estufa.

Mude seus hábitos de transporte

Para pequenas viagens diárias, é melhor usar o transporte não motorizado (a pé, de bicicleta, de patins em linha …) ou de transportes públicos (autocarro, comboio, eléctrico, …).

Na França, o transporte representa um terço do consumo total de energia. Eles também são responsáveis ​​por uma parte significativa da poluição do ar . Por exemplo, o consumo de combustível é responsável por 35% das emissões de CO2.

Os veículos particulares são responsáveis ​​por 14% das emissões nacionais. Enquanto as emissões francesas diminuíram 0,8%, as emissões de veículos de passageiros aumentaram 17% entre 1990 e 2004.

Para viagens nacionais, é melhor usar o trem em vez do avião. Na verdade, o último é muito mais emissor de gases do efeito estufa do que o trem.

A companhia aérea tem um duplo impacto sobre o clima, não só por causa do consumo de combustível, mas também as trilhas de condensação que melhoram a formação de nuvens e contribuem para o aquecimento da superfície global.

Para a compra do seu carro, prefira um carro que emite pouco gás de efeito estufa. Portanto, é melhor evitar carros com grande deslocamento ou o uso de carros 4×4 na cidade.

Gases de efeito estufa e emissões de CO2 estão realmente aumentando no setor automotivo por dois motivos: um efeito de massa e um efeito de frota.

O efeito de massa está ligado ao aumento constante do número de carros em circulação na França. A segunda razão para o aumento das emissões de CO2 relacionadas ao transporte é o efeito park.

De fato, apesar das boas intenções e dos discursos oficiais, os fabricantes de automóveis estão construindo carros cada vez mais potentes, mais pesados ​​e maiores, que emitem mais e mais CO2.

Que pensamos aqui para 4 × 4 cujo desenvolvimento parece não conhecer limites. As matrículas destes veículos todo-o-terreno aumentaram 22% em França em 2007, apesar da sua imagem anti-ecológica e do aparecimento de impostos específicos.

Ar condicionado automotivo emite refrigerantes prejudiciais ao clima. Recomenda-se evitar o seu uso, tanto quanto possível.
De acordo com a Agência Francesa de Meio Ambiente e Energia (ADEME), os aparelhos de ar-condicionado operam com refrigerantes com hidrofluorcarbonetos (HFC) com um potencial de aquecimento 2.000 vezes maior do que CO2, o gás de efeito estufa mais conhecido responsável pela mudança climática. Ar condicionado pode ter efeitos desastrosos na atmosfera, acelerando o aquecimento global.

Compre produtos mais respeitosos

Para os seus produtos alimentícios, a escolha deve ser feita entre os produtos locais. Frutas e vegetais devem ser sazonais, comprados no momento do vencimento e não cultivados em estufa.

Para limitar as emissões de nossas compras, escolha produtos que menos viajam, aqueles que exigem menos energia para serem fabricados ou para crescer (legumes e frutas da estação, por exemplo), aqueles com menos embalagens , aqueles que reciclam melhor.

Quanto mais tempo o produto for importado, maiores as emissões de CO2. De fato, o transporte de mercadorias requer a combustão de óleo combustível e querosene.

Isolamento e aquecimento da casa

O melhor isolamento de paredes e tetos, bem como a escolha certa de janelas, reduzirá as emissões de gases de efeito estufa e reduzirá o consumo de eletricidade, reduzindo a perda de calor.

A produção de energia é um forte emissor de gases de efeito estufa, responsável pelo aquecimento global: o bom isolamento ajuda a combater o aquecimento global.

Além disso, o bom isolamento térmico reduzirá substancialmente a conta de eletricidade ou aquecimento, e oferece um melhor conforto: sem “paredes frias”, condensação de água, umidade …

Além do isolamento térmico, você pode agir em prol do meio ambiente e da sua carteira, evitando o superaquecimento da sua casa.

Reduzir a temperatura em um grau fará economia real. Gerenciar o aquecimento também significa monitorar a temperatura na casa. Nossos quartos são freqüentemente superaquecidos: é mais saudável morar em uma casa aquecida a 19 ° C do que a 21 ° C.

É melhor usar modos de aquecimento verdes em vez dos modos tradicionais. Está disponível uma ampla variedade de aquecimento ecológico, como aquecedor solar de água, aquecimento geotérmico ou madeira.

O aquecimento é o primeiro item de consumo em casa. Representa, em média, mais de 2/3 do consumo interno de energia.

No entanto, pode ter um impacto altamente variável nas emissões de gases de efeito estufa. Na França, o aquecimento elétrico tem um impacto menor, porque usa principalmente energia nuclear de baixa emissão.

Por outro lado, o aquecimento a gás e ainda mais o aquecimento de óleo combustível têm um impacto real porque são emissores diretos de gases de efeito estufa.

Reduza seu consumo de eletricidade

Ao comprar eletrodomésticos, certifique-se de escolher produtos que consumam pouca energia (Classe A, por exemplo).

Para a sua iluminação doméstica, é melhor comprar lâmpadas de baixo consumo energético que consumam cinco vezes menos energia e durarem oito vezes mais.

São necessárias cinco vezes mais energia para produzir lâmpadas econômicas do que para a produção de lâmpadas incandescentes.

No total, no entanto, o equilíbrio ecológico é melhor para os bulbos econômicos, dado o seu tempo de vida e baixo consumo de energia. É imperativo reciclar lâmpadas de baixo consumo. Eles contêm pós tóxicos.

A proliferação de dispositivos em standby (televisão, aparelho de DVD, estéreo, …) aumenta significativamente o consumo de energia da casa. Portanto, é melhor desligar completamente os dispositivos do que deixá-los em espera.
Um dia antes da sua TV pode representar até 70% do consumo total de energia do dispositivo.

Classifique e recicle seu lixo

A triagem do lixo doméstico permite limitar a quantidade de lixo descartada em aterros sanitários, promover a reciclagem (vidro, papel, papelão, etc.) e, possivelmente, fabricar seu próprio composto a partir de peelings.

A incineração com recuperação de energia emite quatro vezes menos gás de efeito estufa que o aterro. A reciclagem também contribui para essa diminuição. Vamos valorizar nosso lixo orgânico compostando-o: eles substituirão os fertilizantes químicos no jardim.

Reduzir o consumo de água

O consumo de água pode ser reduzido diariamente com o fechamento de torneiras entre dois usos, reutilizando a água usada para lavar frutas e verduras para regar seu jardim, mantendo regularmente suas torneiras para evitar vazamentos, tomando chuveiros banhos ou usando um flush econômico.

A purificação da água requer o uso de energia e é, portanto, indiretamente responsável pela produção de gases de efeito estufa.

Assuntos relacionados

Referências Bibliográficas

Aprenda Bio

Postagens recentes

O que são neurochips – como funcionam

Neurochips são chips cerebrais que monitoram a atividade do canal iônico que regula as conexões neuronais no cérebro estimulando ou…

5 meses ago

Com os princípios orientadores corretos, os impostos de carbono podem funcionar

Como a maioria dos economistas, sou a favor de taxar o dióxido de carbono para reduzir a poluição por carbono. Uma taxa…

8 meses ago

O que é Biologia

A biologia é o ramo da ciência que estuda a vida e os organismos vivos. Isso inclui assuntos como a célula,…

9 meses ago

Celebrando soluções que eliminam grandes problemas: 3 leituras essenciais

Diminuir o ritmo das mudanças climáticas, aumentar o acesso aos cuidados de saúde e cobrir as notícias de forma abrangente…

9 meses ago

De Folha em Folha: A batalha das plantas!

As plantas são seres autotróficos (produzem seu próprio alimento) e, por esse motivo, são base da cadeia alimentar. Porém, esse…

10 meses ago

Curiosidades sobre os caranguejos: características gerais

Os caranguejos são animais artrópodes, assim como os insetos. Dentro dos artrópodes existe um classe de animais chamada de crustáceos,…

10 meses ago