Categorias: Zoologia

O que é Entomologia: Forense, geral – Estudo dos insetos

A entomologia pode ser definida de maneira bem resumida como o estudo dos insetos. O profissional que trabalha com entomologia é chamado de entomólogo. Mas afinal, por que é importante estudar os insetos?

Nesse artigo veremos também algumas das aplicações da entomologia, como na agricultura, na medicina, na ecologia, e até mesmo em uma área que vem crescendo muito que é a entomologia forense

Mas afinal, o que é entomologia?

Entomologia é o estudo de insetos e sua relação com os seres humanos, o meio ambiente e outros organismos. Os entomologistas fazem grandes contribuições para campos tão diversos como agricultura, química, biologia, saúde humana / animal, ciência molecular, criminologia e forense.

O estudo de insetos serve como base para o desenvolvimento de controle biológico e químico de pragas, produção e armazenamento de alimentos e fibras, epidemiologia farmacêutica, diversidade biológica e uma variedade de outros campos da ciência.

Entomologistas profissionais contribuem para a melhoria da humanidade, detectando o papel dos insetos na disseminação de doenças e descobrindo maneiras de proteger as culturas de alimentos e fibras, e a pecuária de ser danificada.

Eles estudam a forma como insetos benéficos contribuem para o bem estar de seres humanos, animais e plantas. Entomologistas amadores estão interessados ​​em insetos por causa da beleza e diversidade dessas criaturas.

Entomologia é uma ciência antiga, que remonta ao estabelecimento da biologia como um campo formal de estudo por Aristóteles (384-322 aC).

Há referências ainda mais antigas sobre o uso de insetos na vida cotidiana: como o cultivo de bichos-da-seda que começou em 4700 aC na China, que era uma parte importante da vida camponesa na China, já em 4000 aC.

Quem precisa de entomologistas?

Cientistas – Ao estudar insetos, os entomologistas ajudaram a produzir muito do nosso conhecimento atual sobre herança, fisiologia e ecologia.

Agricultores – Culturas e produtos alimentícios são consumidos ou estragados por insetos. Os entomologistas estão trabalhando para sustentar a produção agrícola ideal em todo o mundo. O trabalho de entomologistas veterinários protege o gado de doenças transmitidas por insetos.

Professores – Os professores usam a entomologia na sala de aula para ensinar princípios e conceitos biológicos básicos.

Ambientalistas – Entomologistas estudam indicadores ambientais para entender melhor as relações entre humanos e natureza. Identificando espécies ameaçadas e estudando seus ecossistemas, entomologistas trabalham para proteger o meio ambiente e restaurar habitats ameaçados.

Indústria – Entomologistas oferecem à indústria muitas oportunidades de produtos em áreas como o controle biológico e químico de pragas. O controle urbano de pragas é uma indústria de US $ 3 bilhões só nos EUA. No Brasil não há dados sobre esse assunto.

Silvicultores – Os insetos são um dos maiores destruidores de recursos madeireiros. Entomologistas trabalham com silvicultores para desenvolver programas eficazes para combater essas pragas, a fim de proteger as florestas e sua riqueza biológica.

Animais – Programas de controle biológico ambientalmente saudáveis ​​desenvolvidos por entomologistas tornaram-se características padrão em uma ampla gama de soluções que protegem animais contra substâncias químicas nocivas.

A pesquisa das Nações Unidas – Entomologistas são essenciais na resolução de escassez de alimentos e doenças relacionadas a insetos em todo o mundo.

Inspetores Aduaneiros – Entomologistas ajudam as alfândegas a interceptar novas pragas antes que elas entrem em um país e causem problemas.

Os militares – soldados, fuzileiros navais e marinheiros freqüentemente encontram insetos exóticos com doenças exóticas. Entomologistas médicos e veterinários lideram o caminho em pesquisas para combater insetos que transmitem doenças.

Polícia – entomologistas forenses usam seus conhecimentos para ajudar a polícia a resolver casos criminais.

Proprietários de casas – entomologistas urbanos fornecem respostas em nossa guerra contra pragas de insetos estruturais, gramados e ornamentais.

Artistas – Entomologistas ajudam a preservar a diversidade e extraordinária beleza dos insetos que os artistas utilizam para desenhos e padrões.

Escritores – Os insetos são uma parte intrigante da teia ecológica. Entomologistas podem fornecer reviravoltas incomuns para histórias comuns. Os escritores podem contar um bom conto porque os insetos fascinam.

Médicos – Pelo menos um sexto da raça humana sofre atualmente de doenças transmitidas por insetos. Entomologistas fornecem informações vitais sobre o tratamento e prevenção dessas doenças.

Nosso Mundo – Entomologistas e seu estudo de insetos nos ajudam a aumentar a generosidade do planeta e preservar sua beleza natural.

Por que estudar entomologia?

Insetos são vetores de muitas doenças humanas, animais e vegetais graves em todo o mundo. Entender a biologia dos insetos é fundamental para entender as doenças que eles carregam e disseminam.

Mais da metade dos dois milhões de espécies vivas descritas no mundo são insetos. Se você está interessado em biodiversidade global ou local, insetos precisam ser estudados.

Insetos existem há mais de 350 milhões de anos e têm evoluído soluções para muitos problemas físicos e químicos. Engenheiros estão procurando cada vez mais insetos por soluções em ciência de materiais e química. Quanto mais compreensão tivermos dos insetos, mais poderemos usar esse entendimento.

Você pode viajar pelo mundo trabalhando em insetos. Insetos são encontrados em todos os sete continentes, até mesmo na Antártida.

Insetos são extremamente importantes economicamente na agricultura. Eles podem ser benéficos como polinizadores e decompositores, ou podem ser prejudiciais como pragas e vetores de doenças de plantas.

Insetos são excelentes modelos para processos fisiológicos e populacionais. Por exemplo, a mosca-das-frutas comum, Drosophila melanogaster, tem sido usada como modelo de espécie em estudos genéticos há anos. Seu tempo de geração curto, tamanho pequeno e a facilidade com que pode ser criado em laboratório o torna um organismo ideal para tais estudos.

Mais espécies de insetos tiveram seu genoma sequenciado do que qualquer outro grupo de organismos multicelulares. Os insetos são um excelente modelo para estudar as bases moleculares da vida.

Inseto estão em toda parte. Não importa onde você mora no mundo ou que língua você fala, você entrará em contato com insetos.

O que é um inseto?

Pode parecer uma pergunta simples, mas há alguma confusão sobre o que é e o que não é um inseto. Existem certos critérios pelos quais definimos quais criaturas são insetos.

Para começar, eles devem ter um exoesqueleto – isso é comum a todos os artrópodes. Para que o artrópode seja um inseto, o espécime deve ter seis patas – geralmente é o que os separa dos outros artrópodes.

Eles também têm três partes distintas do corpo divididas na cabeça, no abdômen e no tórax. Eles podem ou não ter asas, ou antenas, ou ambos e podem viver em terra, no ar ou em corpos de água (embora não existam muitas espécies marinhas, pois esses ambientes são dominados por outros tipos de artrópodes) .

A maioria dos insetos tem olhos compostos que são grandes em relação ao corpo, embora alguns não tenham olhos  e muitos possuam ocelos (sensores que preenchem algumas funções dos olhos em outras espécies).

Combinados, os olhos compostos, antenas e ocelos executam a maioria das funções sensoriais do inseto. Pelos sensoriais nos corpos de muitos insetos dizem a direção que o vento está soprando, então, se sentirem cheiro de comida, eles sabem em que direção voar ou rastejar para encontrá-lo.

Nem todos os insetos têm ocelos – na verdade, esse é um caráter distintivo no nível taxonômico das ordens. Alguns tipos de besouros, por exemplo, como a subfamília Omalinae dos Staphylinidae, possuem ocelos, enquanto a maioria dos besouros não. de todas as espécies de insetos nomeados “. Robert E. Nelson, professor de geologia, Colby College

História da entomologia

Os humanos sempre se interessaram por insetos por uma razão ou outra; culturas antigas os examinaram, cultivaram e até mesmo os veneraram.

Os antigos egípcios adoravam uma grande espécie de escaravelho, ou escaravelho, que reunia bolas de esterco e as enterrava.

A fêmea põe ovos no estrume e, semanas ou meses depois, novos besouros emergem do solo – aparentemente renascem do nada e, assim, representam a renovação da vida.

Muitos escritores romanos discutiram insetos e Aristóteles e Plínio, o Velho, tiveram um forte fascínio em que publicaram suas observações de insetos em livros sobre história natural.

O verdadeiro estudo científico dos insetos não se desenvolveu até a Renascença e até a era do Iluminismo – com a maior expansão do sujeito parecendo ser o século XIX.

Três linhas de estudo cresceram em um curto espaço de tempo: primeiro, os pesquisadores que queriam retratar a beleza da natureza através da produção de imagens altamente detalhadas.

Isso não era útil apenas para a arte, esses esboços altamente detalhados eram úteis para pesquisadores que queriam entender a fisiologia dos insetos.

O segundo grupo se preocupou (como muitas ciências naturais fizeram) com a classificação, dividindo por conveniência e facilidade de estudo – ainda hoje uma prática comum e ainda usamos o método de divisão na classificação de novas espécies, mesmo onde e quando percebemos que nem todas as espécies de qualquer coisa se encaixam perfeitamente em caixas.

O terceiro grupo concentrou-se principalmente no exame dos processos biológicos dos insetos – ciclo de vida, reprodução, habitats e outros elementos.

Este desenvolvido através do curso do 18 º século e pela 19 ª século mais importantes universidades estavam estudando insetos do mundo e os principais institutos científicos começou um programa sistemático de pesquisa e investigação.

Na América do Norte e na Europa, a era vitoriana viu a maior expansão do interesse de insetos primeiramente através da pesquisa amadora do poço para fazer pesquisador cavalheiro, e depois em mais estudos acadêmicos levando à ciência formalizada que temos hoje.

Não há maior trabalho com uma ampla gama tal para este terceiro grupo, que os quatro volumes publicados no início dos anos 19 º século por William Kirby e William Spence e ainda é considerado um trabalho seminal hoje.

Na maior parte do tempo, a pesquisa sobre insetos no século XIX foi motivada pela ciência médica e pela necessidade de compreender e combater doenças transmitidas por insetos, como a malária e a febre amarela, suas causas e como elas se disseminam.

Era importante para o colonialismo e para a crescente economia de mercado das nações, espalhando sua influência e construindo mercados nos países em desenvolvimento.

O séculos 20  e 21   levaram aos mais descobertas de espécies de insetos, e como eles vivem e se reproduzem, do que nunca.

Agora podemos visitar áreas remotas muito mais facilmente do que antes – novas espécies aparecem todos os dias. Nós também descobrimos que o estudo de insetos tem usos fora da entomologia.

O que a entomologia pode nos dizer?

O assunto não existe em uma bolha onde é útil apenas para si mesmo; faz parte de um estudo ambiental mais amplo sobre nossa ecologia natural e geografia humana – os insetos são afetados pelo clima e os resultados dos estudos podem nos dizer muito sobre o que está acontecendo no mundo ao nosso redor.

Descobrimos novos usos para estudos em entomologia o tempo todo e já existem várias disciplinas estabelecidas onde insetos e restos de insetos são um tipo poderoso de evidência.

Como indicadores ambientais

Os insetos são uma parte vital da biodiversidade florestal e, como são particularmente sensíveis a mudanças no clima e nos padrões e estações da cobertura da flora regional, a entomologia fornece evidências para a saúde geral da floresta, bem como mudanças na cobertura.

A chegada de uma nova praga ou o súbito declínio de uma espécie nativa bem estabelecida pode indicar muitas coisas, como os efeitos do desmatamento, ou uma mudança nos tipos de cobertura arbórea, concentração de CO2, questões ecológicas persistentes, como secas ou inundações.

Eles podem nos dizer muito sobre os tipos de árvores, arbustos e flores que crescem lá (especialmente os insetos polinizadores, como borboletas)  e quaisquer alterações.

O Círculo Ártico tem um ecossistema muito delicado e esta é uma área onde os pesquisadores em muitos campos dependem fortemente da entomologia, particularmente da relação entre grupos de insetos, entre insetos e o meio ambiente, entre insetos e outras espécies animais.

Evidências de números populacionais e densidade são freqüentemente usadas para examinar indicadores ambientais específicos.

Para Arqueologia / Antropologia

Da mesma forma, e como a arqueologia se move mais para o domínio da ciência ambiental, a população de insetos e restos estão se tornando mais importantes na interpretação de sítios arqueológicos e paisagens.

Os seres humanos tiveram um enorme impacto no meio ambiente do passado, e estamos apenas começando a entender como a geoengenharia, como as sociedades de caçadores-coletores e até mesmo a Revolução Agrícola do Neolítico impactaram as ecologias locais.

Estamos apenas começando a entender como os restos de insetos são úteis e quais espécies de insetos são mais úteis em quais áreas. Em um estudo da Groenlândia ocidental, por exemplo, pesquisadores examinaram restos de insetos existentes para indicadores de higiene pessoal.

Isso não é tudo o que eles podem nos dizer.

Quando uma paisagem virgem é alterada para dar lugar a terras agrícolas, é provável que ocorra uma mudança no ecossistema que incluirá uma mudança no padrão de distribuição de pólen e nos restos de insetos – especialmente quando uma cultura favorável a espécies de insetos nativos substitui uma cultura foi desfavorável, ou vice-versa.

Nestes casos, haverá uma mudança de padrão claro e distinto no registro arqueológico.

Entomologia Forense

Pode surpreender que as pessoas aprendam que espécies de insetos podem às vezes desempenhar um papel na investigação criminal e até mesmo serem incluídas como parte da evidência.

Podemos aprender muito sobre a estação da morte de um corpo e por quanto tempo ele pode ter sido exposto aos elementos antes da descoberta ou do enterro.

Esta é uma das áreas mais críticas em que entomologia contribui para a nossa compreensão dos restos humanos – na arqueologia e no processo penal.

Os insetos são atraídos para corpos em decomposição e podem começar a se alimentar ou colocar ovos nele. Compreendendo o processo de ciclo de vida de qualquer inseto encontrado, os investigadores podem identificar por quanto tempo um corpo foi morto, onde foi registrado e uma variedade de outros fatos.

O mais interessante, parece que estuda insetos como um método de trabalhar fora o autor de um crime remonta a China no 13 º século quando os suspeitos foram instruídos a colocar suas foices no chão para ver qual atraía mais moscas para as pequenas quantidades de sangue que permaneciam na lâmina.

Usando insetos como prova em um julgamento criminal moderno começou em 1935, quando um corpo no Reino Unido mostrou um número de varejeiras.

A evidência subsequente obtida das moscas varejeiras informou aos investigadores quanto tempo a mulher estava morta e levou à condenação do culpado.

Entomologia Médica

Esta é a área de pesquisa médica e como os insetos são uma questão de saúde pública. Esta área também inclui doenças de plantas e danos causados ​​por insetos às culturas também.

Isso significa que pesquisadores em Entomologia Médica estão preocupados com pragas urbanas e rurais, bem como as doenças que alguns insetos carregam.

O escopo da entomologia médica também abrangerá pesquisas sobre a eficácia e o desenvolvimento de novos pesticidas.

A entomologia médica começou no início do século XX , quando se descobriu que os mosquitos eram responsáveis ​​pela transmissão da febre amarela.

A entomologia médica desempenha grande parte da pesquisa militar dos EUA, à medida que os principais órgãos examinam e combatem os efeitos das principais doenças em todas as guerras nas quais o país participou – mais recentemente no Iraque e no Afeganistão.

Embora a entomologia seja o estudo de insetos, a entomologia médica tem um escopo mais amplo, pois incorpora outros artrópodes que podem afetar a saúde humana – isso significa aracnídeos como aranhas, ácaros, carrapatos e também estão sob o escopo de um pesquisador de entomologia médica.

Pesquisa de mosca de fruta

A humilde mosca da fruta merece uma menção especial porque esses pequenos insetos nos deram tanta informação. Aprendemos muito sobre biologia evolucionária porque muitas gerações se reproduzem em um espaço de tempo muito curto.

Temos informações sobre mutação genética, deriva genética e outros elementos da evolução vitais para a pesquisa em outras áreas, particularmente genética humana.

Cruzamento seletivo para características favoráveis ​​pode ser realizado em grande escala em um espaço de tempo muito curto.

Embora tenham sido estudados há pelo menos um século, apenas recentemente pesquisadores deram grandes saltos nas descobertas.

Pesquisas recentes também mostraram que pode haver descobertas esperando para serem feitas para pesquisas sobre diabetes.

Um artigo publicado em 2014 mostra que a equipe de pesquisa descobriu uma maneira de medir mutações em relação aos níveis de insulina. Espera-se e espera-se que futuros tratamentos para diabetes resultem do estudo.

Especial: carreira na Entomologia Forense

Uma carreira na entomologia forense pode não ser para os fracos de coração, mas o estudo de insetos no corpo post-mortem pode render uma riqueza de informações em casos criminais.

Entomologia forense em um contexto médico-legal ou médico-criminal se concentra em insetos que colonizam o tecido humano em situações post-mortem.

A entomologia forense envolve estimar a idade dos insetos que se desenvolvem nos restos humanos; especificamente, envolve estimar o tempo de colonização ou o tempo em que os ovos ou larvas são depositados nos restos mortais (chamado de tempo mínimo desde a colonização) e o tempo decorrido desde o início da atividade dos insetos (chamado período pós-morte, ou PMI).

A entomologia forense em um contexto médico-criminal é freqüentemente usada para:

  • Estabelecer a localização geográfica da morte
  • Associe a vítima e suspeite um ao outro
  • Identifique os locais de trauma
  • Determinar a hora da morte
  • Fornecer amostras toxicológicas e de DNA alternativas

Embora alguns entomologistas forenses sejam contratados em tempo integral pelas agências de aplicação da lei, esses cientistas muitas vezes trabalham em regime de contrato quando chamados para auxiliar médicos legistas, médicos legistas, agências policiais e agências federais a responder perguntas críticas relativas a investigações de morte criminal.

Os trabalhos de entomologistas forenses relacionados a uma investigação de morte criminal geralmente envolvem:

  • Respondendo à cena do crime para documentar, recuperar e identificar restos humanos e coletar e preservar evidências físicas e biológicas
  • Estudar os vários aspectos dos insetos, incluindo tipo, crescimento, estágio de desenvolvimento ou dano causado ao corpo post-mortem para determinar a hora da morte.
  • Estudar os padrões climáticos e climáticos anteriores e posteriores ao ato criminoso para determinar os estágios da vida dos insetos
  • Determinar se os insetos no local eram indígenas para a área de foram transportados pela vítima ou perpetrador
  • Desenvolvendo relatórios de entomologia organizados e precisos
  • Supervisionar o manuseio de todos os espécimes entomológicos para garantir o processamento, identificação e armazenamento adequados
  • Desenvolvimento de procedimentos para o trabalho de caso entomológico forense, coleta e documentação

Todas as evidências coletadas no local do crime por um entomologista forense devem ser coletadas e armazenadas de acordo com diretrizes e protocolos rigorosos para garantir que possam ser admissíveis no tribunal, se necessário.

Os agentes da lei, portanto, muitas vezes acompanham os entomologistas forenses à cena do crime para garantir que todos os passos apropriados sejam dados durante a coleta e preservação da evidência.

Educação para entomologistas forenses

Os entomologistas forenses são cientistas forenses certificados pela Diretoria que obtiveram um Ph.D. em entomologia.

Além de um doutorado em entomologia, os indivíduos que desejam seguir uma carreira como entomologista forense devem concluir cursos específicos para a aplicação forense da entomologia. Existem algumas instituições nos Estados Unidos que oferecem pós-graduação ou especializações em entomologia forense.

Uma educação em entomologia forense inclui pesquisa e investigação de casos, padrões aceitos de investigação da cena do crime, manipulação de evidências e ecologia. Um curso comum em um programa de entomologia pode incluir:

  • Introdução à ciência forense
  • Criminalística
  • Estudos forenses avançados
  • Imagem digital forense
  • Entomologia forense
  • Variação humana
  • Arqueologia antropológica
  • Osteologia humana
  • Tempo e clima
  • Bioquímica
  • Anatomia e fisiologia humana
  • Estrutura celular e função
  • Laboratório de estrutura celular
  • Genética
  • Microbiologia
  • Química quantitativa / analítica
  • Psicologia da morte e do morrer
  • Laboratório de genética
  • Entomologia geral

Entomologistas forenses muitas vezes ganham experiência valiosa em casos de entomologia forense médico-legal ou medico criminal através de um aprendizado com um entomologista certificado pelo Conselho.

Assuntos relacionados

Fontes e Referências Bibliográficas

PUJOL-LUZ, José Roberto; ARANTES, Luciano Chaves; CONSTANTINO, Reginaldo. Cem anos da entomologia forense no Brasil (1908-2008). Revista Brasileira de Entomologia, v. 52, n. 4, p. 485-492, 2008.

BALTAZAR, Fabio Navarro et al. Entomologia forense e saúde pública: relevância e aplicabilidade. BEPA. Boletim Epidemiológico Paulista (Online), v. 8, n. 87, p. 14-25, 2011.

Aprenda Bio

Postagens recentes

O que são neurochips – como funcionam

Neurochips são chips cerebrais que monitoram a atividade do canal iônico que regula as conexões neuronais no cérebro estimulando ou…

5 meses ago

Com os princípios orientadores corretos, os impostos de carbono podem funcionar

Como a maioria dos economistas, sou a favor de taxar o dióxido de carbono para reduzir a poluição por carbono. Uma taxa…

9 meses ago

O que é Biologia

A biologia é o ramo da ciência que estuda a vida e os organismos vivos. Isso inclui assuntos como a célula,…

9 meses ago

Celebrando soluções que eliminam grandes problemas: 3 leituras essenciais

Diminuir o ritmo das mudanças climáticas, aumentar o acesso aos cuidados de saúde e cobrir as notícias de forma abrangente…

10 meses ago

De Folha em Folha: A batalha das plantas!

As plantas são seres autotróficos (produzem seu próprio alimento) e, por esse motivo, são base da cadeia alimentar. Porém, esse…

10 meses ago

Curiosidades sobre os caranguejos: características gerais

Os caranguejos são animais artrópodes, assim como os insetos. Dentro dos artrópodes existe um classe de animais chamada de crustáceos,…

10 meses ago